quarta-feira, setembro 12, 2007

Encarando a Gagueira de Forma Mais Petulante

Amigos,

Após um longo período sem depoimentos, eis que reabrimos este espaço com um belíssimo texto da mineira de Montes Claros, Ana Paula. Ela nos relata como superou a gagueira em uma ocasião específica. Porém, no que eu acredito, o que ela fez é uma das formas que devemos encarar a gagueira para verdadeiramente superá-la. Mesmo tendo ficado nervosa quando preparava a apresentação, no momento da verdade é interessante notar que a imagem de mau falante não se formou, ela não antecipou momentos de gagueira, não gerou emoções negativas nem se preocupou com a forma de falar, ou seja, não pensou em truques para não gaguejar, conseqüentemente, não gaguejou significantemente (devemos sempre nos lembrar que não existe falante 100% fluente). O círculo vicioso da gagueira não se formou. A fala gaguejante deu lugar a uma fala fluente.

É interessante notar, também, que algo que ela estava sentido, foi espelhado nos outros. Ela sentiu-se admirada e viu admiração nos olhares da classe.

Ana Paula está no 4º período de Serviço Social, pretende tentar uma bolsa de pesquisa, de cujo projeto pretenderá analisar a interferência da gagueira no processo de socialização no âmbito pessoal, social e profissional. Esta possibilidade a deixa muito empolgada!

Ela também me relatou a seguinte situação: "Já pensei em assumir a gagueira, em tentar fazer com que as pessoas me valorizem pelo o que eu sou, e não pelo o que eu falo, mas a sociedade não respeita as diversidades e você se sente no dever de se enquadrar num padrão pré-determinado. Com isso, você recorre a truques, manias, tratamentos de forma a amenizar a gagueira. E quando não consegue a amenização a frustração é maior." Essas palavras demonstram claramente que há na sociedade uma "ideologia do bem falar" (Sílvia Friedman), que precisa ser amenizada com campanhas nacionais. Fica aqui o meu apelo para que os órgão responsáveis pelo "Dia Internacional de Atenção à Gagueira" realizem campanha com este foco, visando trabalhar as diferenças em relação às produções verbais.

Parabéns, Ana Paula, vamos ao seu texto:

"Olá, amigos!

Gostaria de relatar uma experiência q tive essa semana....

Sou acadêmica do curso de serviço social e eu sempre tive dificuldade de falar em público.... e também tenho medo de que a gagueira afete o meu lado profissional.

Durante o curso tenho buscado encarar os seminários com naturalidade, apesar de sempre ficar nervosa, ansiosa e muito preocupados com a reação dos ouvintes. E também sempre preocupava muito com a fala em si (se vou gaguejar ou não em tal palavra, por exemplo) e não com o conteúdo da apresentação. Com isso, gaguejava mais q o normal.

Terça-feira, eu tive o primeiro seminário desse período, numa disciplina optativa. Ou seja, não estava acostumada com a turma (já construí uma barreira aí).

Preparei a minha apresentação e fiquei muito mais nervosa, ansiosa, tensa porque, além das questões já citadas, eu ia apresentar pra uma turma que não sabia da minha dificuldade de fala.

Sabe onde busquei força???

Em Deus e em vocês.

Vocês não têm idéia do quanto essa troca de informações, de experiências tá me fazendo bem. Tô encarando a gagueira de forma mais petulante. Tô falando mais. Tô lutando mais contra os meus conflitos.

Muitas vezes, as pessoas fluentes não sabem o que se passa com a gente. Eu acho que gago entende o outro gago perfeitamente. Daí a importância desse grupo para o enfrentamento e para a superação da disfluência.

Sabe qual foi o resultado do seminário? Momentos antes da apresentação eu lembrei de uma mensagem de Sofia (acadêmica de enfermagem). Chutei o balde. Saí dos bastidores. Quis ser protagonista. Não fiquei muito nervosa, tensa e gaguejei BEM menos. Não fiquei tão encanada com a forma de falar. Além disso, percebi nos olhares dos meus colegas da disciplina optativa e do professor admiração por eu ter a coragem de encarar, enfrentar o meu problema (isso foi o mais legal).

Sempre tive medo de olhar irônico, de deboche, de estranheza, de piedade....

Agradeço a todos, especialmente, a Sofia, por fazer parte desse meu processo de enfrentamento.

MIL BEIJOS PRA VCS!!!"

Ana Paula

6 comentários:

geo disse...

PESSOAL SE ALGUÉM TIVER ALGUM MATERIAL OU APOIO PARA MIM ME MANDE EMAIL : geo_c.e.c@hotmail.com

Anônimo disse...

Ola!
Eu preciso de ajuda, os meus pais ignoram a minha forma de falar e só me dizem para falar mais devagar e isso envergonha-me, todos dizem que nao sou gaga apenas que sou nervosa, nao consigo ler em público, tenho fases melhores e piores.
Se souberem de alguma coisa que me ajude mandem para este mail sff...

mr14@sapo.pt

Anônimo disse...

oi eu me chamo michael tenho 14 anos convivo com a guagueira dez de crinça meus pais vem me ajudando a superar já fiz fono e não melhorou, entrei ne um curso(cips)profissionalizante todos da minha sala fala só eu que não tenho muito vergonha de meus amigos rirem de mim.

Anônimo disse...

Olá Pessoal, me chamo Elaine e tenho a mesma dificuldade de fala, irei apresentar meu TCC na semana que vem, e só de pensar nisso, fico com muita angustia, pois tenho medo de não compreenderem minha dificuldade e me reprovarem. Minha dificuldade é apenas nas exposições, participo de um grupo de musica e consigo cantar, mas quando vou fazer alguma apresentação ou falar com chefe, ou alguém que eu não conheça, simplesmente, me engasgo toda, literalmente.
Gostaria de saber o que devo fazer.
Muito obrigado pela ajuda

GEO disse...

Olá pessoal, eu também sofro com esta dificuldade, hoje sou psicologa e descobri que tenho TDAH e Fobia Social que me faz travar quando eu tenho que falar ou expor a minha ideia com alguem que de certa forma representa autoridade...É muito importante aceitar a nossa condição porque agente tem uma visão distorcida de nossa problematica, compartilhar com alguem que nos compreende ajuda muito, porque cada pessoa que nos motivar eleva a nossa auto-estima e isso é fundamental para diminuir o nivel de ansiedade.Temos que evidenciar os nossos talentos e não nossas dificuldades.
bjs

Anônimo disse...

Oi desde de pequena tenho problema com a gagueira,eu fico muito preocupada porque isso afeta a minha vida profissional,ainda não comecei a fazer faculdade por fator desse problema..